Open/Close Menu A Diocese de Viseu é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica em Portugal

Papa encontrou-se com responsáveis da sua diocese.
O Papa Francisco encontrou-se hoje com representantes das comunidades católicas de Roma, a sua diocese, com quem debateu temas como a situação dos jovens, que considerou vítimas de “alienação cultural” e dos efeitos negativos da cultura digital.
“Se vives no mundo radical, perdes as raízes”, disse, num encontro de cerca de hora e meia, na Basílica de São João de Latrão.
O Papa defendeu o diálogo entre gerações e gracejou com a quantidade de jovens que, em vez de o cumprimentar estendendo a mão, o fazem “com o telemóvel”, tirando uma ‘selfie’.
“Falta contacto humano, isto é grave. São jovens virtualizados”, observou o pontífice.
Francisco foi recebido pelo seu vigário para a Diocese de Roma, o arcebispo Angelo De Donatis, por bispos auxiliares, sacerdotes, religiosos e religiosas e centenas de leigos das comunidades paroquiais e nas outras realidades eclesiais.
O Papa é, na Igreja Católica, o bispo de Roma, diocese cuja catedral é a Basílica de São João de Latrão.
As paróquias da capital italiana promoveram nos últimos meses uma reflexão sobre as “doenças espirituais” e apresentaram hoje algumas questões ao Papa, nascidas desse percurso de debate.
Nas suas respostas, falando sem recurso a um texto preparado anteriormente, Francisco alertou para a “amargura” que se pode instalar na vida espiritual de cada crente, advertindo que “ninguém se pode curar sozinho, ninguém”.
“O Senhor quer fazer-nos crescer com a experiência da cura”, sustentou.
O Papa falou dos perigos do individualismo e do que qualificou como “tutologia”, a pretensão de “saber tudo”, bem como da “ânsia de novidades” nas comunidades católicas, que perdem assim o “realismo” e a consciência do “essencial”.
“A espiritualidade comunitária cura-nos”, observou.
Segundo o Papa, o trabalho das paróquias deve ser mais do que um “somatório de iniciativas”, apresentando como prioridade a “harmonia” nas comunidades.
Francisco disse que os católicos têm de “ler o Evangelho, todos os dias”, para conhecer melhor Jesus, o que leva à “oração” e às “obras de misericórdia”.
Noutra resposta, o pontífice sublinhou que ficou com boa impressão dos jovens com quem se reuniu na reunião pré-sinodal, projetando a próxima assembleia consultiva de bispos que vai decorrer em outubro, no Vaticano.
Já no seu discurso formal, o Papa convidou à reflexão sobre a “capacidade de fecundidade” das comunidades eclesiais.
A intervenção advertiu para o risco de colocar a Igreja numa “situação de escravidão”, subjugando-a a poderes e interesses que não os de Deus, e falou numa “hipertrofia do indivíduo” nas sociedades contemporâneas.
Francisco falou de uma vida “expropriada por relações apenas utilitárias e pouco gratuitas”, pelo “medo do futuro”.
O discurso elencou desafios como “o individualismo, o isolamento, o medo de existir, a sensação de esmagamento e o perigo social, típicos de todas as metrópoles”, que exigem novas respostas da Igreja Católica.
O encontro concluiu-se com um momento de oração.
G.I./Ecclesia:OC

CategoriaIgreja, Papa, Pastoral

© 2016 Diocese de Viseu. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: scpdpi.com

Siga-nos: